Uma vida marcada pelo alcoolismo

Índia da etnia Jaminawa, Carmen Pereira mora na aldeia Salão, nas cabeceiras do rio Iaco. Ela viajou 12 horas de barco para chegar à sede da comunidade Icuriã, em busca atendimento médico para o neto. Era um fim de semana de festa, de inauguração dos melhoramentos na estrada de terra que chega à localidade e com a presença de projetos governamentais como o Saúde Itinerante.

Carmen cuida sozinha de seis filhos e um neto. A sua principal fonte de renda é o Bolsa Família, pela qual recebe cerca de 500 reais. O pai dos seus filhos é alcoólatra e não ajuda na criação das crianças. “Ele bebia muito e me batia, não estamos mais junto, eu sou sozinha”, relata.

Como o acesso à aldeia é difícil, ela normalmente espera acumular dois meses de benefício para ir à cidade. “São três dias de viagem e pago 60 reais de passagem. É muito caro sair e com esse dinheiro não consigo comprar quase nada. Eu planto macaxeira, banana e arroz para poder dar de comer às crianças”, explica.

Uma de suas filhas, Adriangela Batista Pereira Jaminawa, engravidou aos 13 anos, no período em que sua mãe não estava na aldeia. “Não foi certo, não gostei disso. Eu não estava dentro de casa, passei três meses em Rio Branco porque tive uma bebê prematura. Quando voltei, ela já estava grávida. Arranjou menino sem eu estar por perto, ela tava sozinha cuidando dos outros”, conta ela.

O neto nasceu com má formação nos pés e na mão. Atualmente Carmen está procurando atendimento médico para pequeno e também busca o direito de receber algum benefício para pessoa com deficiência do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). “Com o que ganho não dá para comprar muita coisa, minha família não pode receber Bolsa Família já que ela é menor de idade”, afirma.

Adriangela Jaminawa não estuda, fez apenas dois anos de escola. Para ela era é muito difícil ir à escola por causa da distância e também porque precisa ajudar a mãe com as outras crianças. Ela diz que não planejava a gravidez. “Não queria muito não namorar com ele, mas às vezes dormia com ele, com esse homem. Eu preciso de ajuda pro meu filho, não tenho como criar ele”.